Chocolate Prawer e Casa da Montanha: uma história que vale a pena conhecer


Você sabia que o Casa da Montanha só existe por causa do chocolate Prawer? Pois é isso mesmo! E já que na Páscoa o chocolate fica em evidência, resolvemos fazer este post para contar um pouco sobre nossas origens e nossa história. Para isso, vamos voltar um pouquinho no tempo e falar sobre o empreendedor e visionário Jayme Prawer.

Se você já ligou o nome dele com a primeira fábrica de chocolate caseiro no Brasil, a Chocolates Prawer, está no caminho certo. Ele, que nasceu em Porto Alegre em maio de 1926 e se formou em odontologia, largou o trabalho como dentista para empreender na cidade pela qual havia se apaixonado aos 11 anos: Gramado!




Com espírito visionário, Jayme trouxe para cá o típico “café colonial”, que hoje se tornou símbolo gastronômico da Serra Gaúcha. E uma viagem que ele fez para a Argentina, onde teve a oportunidade de visitar as fábricas de chocolates caseiros em Bariloche, foi a inspiração para ele começar a produção de chocolate artesanal em Gramado, onde, em fevereiro de 1976, inaugurou a primeira loja com o seu nome. Desde o princípio, ele posicionou a marca como o chocolate com alto padrão de qualidade, feito com arte, amor e atenção aos detalhes. Não à toa, hoje Gramado tem o título oficial da “capital nacional do chocolate artesanal”.

Jayme administrou a Prawer até 2005 quando, com sua saúde debilitada, passou a gestão para sua filha Nadia. Em 2012, a família Brock assumiu o comando do negócio com o compromisso de manter a autenticidade e essência da marca, além de ir em busca de inovação.




Você deve estar se perguntando o que tudo isso tem a ver com o Casa da Montanha, certo? É que em suas andanças pelo destino de inverno mais famoso da Argentina, além dos chocolates, Jayme se apaixonou pela arquitetura e atmosfera local e quis trazer também para cá um hotel parecido com o Llao Llao, um ícone da Patagônia e que faz parte dos mais famosos cartões postais da região. Assim nasceu o nosso Hotel Casa da Montanha que, como o Llao Llao em Bariloche, se tornou uma das paisagens mais fotografadas de Gramado








Antes de concluir o empreendimento, Jayme vendeu parte para a família Peccin, do genro Luciano, casado com sua filha mais velha, Marlene. O hotel foi inaugurado em agosto de 1997, sob gestão desta família, que tem um importante papel na história do desenvolvimento do turismo em Gramado.